Criação da Anater passa na Câmara

117

A Câmara aprovou ontem à noite o Projeto de Lei nº 5470/13 que cria a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) para executar políticas nessa área, com o objetivo de aumentar a produtividade, melhorar a renda no campo e promover o desenvolvimento sustentável no meio rural. O texto aprovado é o substitutivo da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, de autoria do deputado Bohn Gass (PT-RS). A principal novidade no relatório é a atribuição de prioridade para a assistência e a extensão direcionada aos agricultores e empreendedores familiares e aos médios produtores rurais. A proposta segue agora para o Senado.

Dilma escolhe general para comandar a APO
O presidente da Comissão Desportiva Militar do Brasil, Fernando Azevedo e Silva, foi indicado para comandar a Autoridade Pública Olímpica (APO), responsável por coordenar a União, o estado e o município do Rio de Janeiro na preparação para os Jogos de 2016. Com a publicação da indicação na edição de ontem do Diário Oficial da União, a previsão é que o general seja sabatinado, já na próxima terça-feira, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Em agosto, Márcio Fortes, que foi ministro do governo Lula, pediu demissão do cargo, após perder espaço político com a descentralização de projetos e o aumento de poder dos órgãos estaduais e municipais. Caso a indicação passe pelo Senado, Fernando Azevedo e Silva terá a missão de responder pelos prazos das obras para os Jogos, além de tentar frear os gastos no orçamento.

R$ 1,5 bilhão
Valor que a MP 624 destina para a melhoria do serviço público em municípios, tais como saneamento e transporte público. A medida provisória aguarda votação no Senado.

Indicação de Patriota é aprovada
O plenário do Senado aprovou ontem a indicação do ex-ministro das Relações Exteriores Antônio Patriota (foto) para representar o Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU). Ele foi indicado ao cargo pela presidente Dilma Rousseff após ser demitido do ministério por não ter evitado a fuga do senador boliviano Roger Pinto Molina. O parlamentar estava asilado na embaixada brasileira no país e foi trazido para o território nacional pelo diplomata Eduardo Saboia. O ex-chanceler recebeu 43 votos favoráveis e 14 contrários.