Pré-candidato à Presidência, Eduardo Campos reforça propaganda em ano eleitoral

105

O governo de Pernambuco registrou em 2013 um gasto recorde com publicidade, num plano de divulgação que colocou no ar até três propagandas novas na TV por semana e anúncio em revista do Rio Grande do Sul. O volume de inserções sobre a atual gestão este ano deverá ser ainda maior se considerado o gasto mensal. Pelo menos no que depender do orçamento projetado pelo governador e pré-candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB).

A verba para publicidade este ano está estimada em R$ 65,7 milhões. Como em ano eleitoral os governos não podem fazer propaganda nos três meses de campanha eleitoral, isso significa que o governo pernambucano terá à disposição uma média de R$ 7,3 milhões por mês para fazer propaganda — 35% mais do que nos anos anteriores.

De 2011 a 2013, Campos gastou R$ 197,7 milhões com publicidade, média de R$ 5,4 milhões por mês. Em 2013, quando registrou recorde de gastos, foram R$ 71,6 milhões, uma média mensal de R$ 5,9 milhões.

Só este ano, foram oito vídeos publicitários veiculados sobre obras de estradas, terminais de ônibus e saneamento, o programa de combate à violência (vitrine do governo), e duas campanhas de conscientização sobre o câncer de mama e doação de órgãos.

O ritmo é o mesmo do segundo semestre de 2013, quando a presença das inserções comerciais do governo, especialmente na TV, aumentou significativamente. Nos últimos meses, foram ao ar 12 propagandas diferentes por mês. No primeiro semestre de 2013, esse número não passou de oito e, em 2012, em muitos meses houve menos que isso.

A ofensiva publicitária do governo pernambucano coincide com o início da movimentação de Campos para viabilizar sua candidatura presidencial. Em muitas propagandas, embora o assunto seja um projeto ou obra local, a comparação com o Brasil acontece, dando fôlego às críticas de uso da máquina para promoção de Campos e de propaganda eleitoral antecipada.

Uma das inserções veiculadas na semana passada diz: “Ouvindo as pessoas, crescemos e nos tornamos um exemplo para o Brasil”. A propaganda não trata de qualquer projeto ou obra específico. Com imagens de alunos em sala de aula, ambulâncias nas ruas e estações de tratamento de água, leva a mensagem de que o governo “sabe fazer e acontecer”.

Há caso até de propaganda paga pelo governo fora do estado. Em 2013, Campos fez um anúncio de oito páginas na revista “Voto”, de circulação no Rio Grande do Sul, sobre o programa de intercâmbio de alunos de Pernambuco para o exterior. O título era “O programa que vai mudar a cara do Brasil”.

Campos é bastante popular no Nordeste, mas pouco conhecido no resto do país. Os deputados da oposição, na época, entraram com uma representação junto ao Ministério Público alegando propaganda eleitoral. A promotoria não soube informar ontem o desfecho dessa denúncia. A agência que cuida da imagem do governo pernambucano é a mesma que produz as propagandas do PSB. O governo foi procurado pelo GLOBO, mas não se pronunciou.