Gente em confusão

89

Chegamos ao fim do ano. Motoristas cruzam os braços e infernizam a vida dos trabalhadores. Eles não perdem a razão. Temem pelo emprego com a entrada das novas empresas. Estão inseguros quanto à rescisão contratual e ao pagamento dos direitos trabalhistas. O calote é iminente, os prejuízos já contabilizados. Param primeiro para mostrar força. Reivindicam e fica a ameaça no ar se o acertado não for cumprido. As empresas de transporte coletivo que deixaram de circular não cumpriram de todo as obrigações. São mais de 10 mil ações na Justiça que se arrastarão por anos. Já para os contribuintes, a bomba está armada. O GDF se articula para poupar os empresários das obrigações financeiras de trabalho, deixar os motoristas satisfeitos, os trabalhadores com o transporte na porta. Todos felizes e mais uma vez o contribuinte (e também eleitor) pagará a conta. Uma lei seria o toque mágico para abrandar a situação. Bastaria a Câmara Legislativa permitir que os recursos do Orçamento adotassem nova rubrica para garantir as verbas trabalhistas aos motoristas. A primeira parte seria paga antes do Natal; a outra, em março; a última, em setembro do ano que vem. O país deseja calma para progredir. Do lado de fora, há interesses inconfessáveis e conhecidos.

A frase que não foi pronunciada
“Há democracias que fomentam
a ignorância. A estas chamem
de ditadura.”

Ulysses Guimarães, de onde estiver

Funcional

» Nomeado o novo secretário de Planejamento do DF. Paulo Antenor de Oliveira é formado em ciências contábeis, com especialização em direito tributário. Funcionário de carreira da Receita Federal, assumiu a vaga de Luiz Paulo Barreto. A notícia chega pelo GDF.

Juventude

» Badalação total. Os artistas de Ceilândia tiveram a oportunidade de gravar até duas músicas próprias na unidade móvel do projeto Circuito da Juventude. Oficinas de informática, de fotografia e de vídeo também enriqueceram as participações.

Dando o sangue

» Hoje é dia de festa na Fundação Hemocentro de Brasília. Os voluntários serão os grandes homenageados na Semana Nacional do Doador de Sangue. São 35 anos de existência gravados em um painel que retrata a história do Hemocentro. Surpresa. A Orquestra Sinfônica vai se apresentar.

Transparência

» Roberto José Bittencourt, da Saúde, dá a informação de que 443 médicos de 14 especialidades diferentes, enfermeiros e técnicos serão contratados para cobrir a escala de férias, aposentadorias, licença médica e abertura de novos serviços oferecidos pela rede pública. Falta transparência na Secretaria de Saúde. A informação da especialidade dos médicos de plantão nos postos de saúde e hospitais precisa ser pública e permanente. Os profissionais que chegarão poderiam ser os primeiros a se acostumar com a regra.
Sem ânimo

» Hoje seria uma data importantíssima para a educação no DF. Novos diretores, vice-diretores e representantes do Conselho Escolar das escolas públicas da Secretaria de Educação serão eleitos pelos pais, responsáveis, servidores, professores e orientadores. Infelizmente, das mais de 600 instituições que vão participar do processo eleitoral, 561 vêm com chapa única, o que demonstra a falta de interesse no assunto.

Estrago

» Foi grande o estrago na Avenida Elmo Serejo, em Taguatinga. No sentido Plano Piloto, o rompimento de uma tubulação de esgoto deu trabalho para as equipes da Caesb e da Novacap. A razão foi a forte chuva.

Cerco

» Continuam os golpes na praça quando o assunto é compra e venda de carros. Malandros prometem pagar depois do DUT assinado e desaparecem. Já que a dinâmica é registrada em cartório, o certo seria o próprio cartório exigir o comprovante de depósito antes de registrar o DUT. Um bem que não custa nada.

Pele

» No Dia Nacional do Câncer, o dermatologista Erasmo Tokarski lembra que não é só o Sol o grande vilão do câncer de pele. Fatores genéticos também. E pede para darmos o seguinte recado: quanto antes o câncer é detectado, maior a chance de cura. Por isso, exames preventivos devem ser frequentes.

História de Brasília
Diante das necessidades, o governo aumentou a importância a ser distribuída, mas esqueceu-se de controlar os protegidos, que foram muitos. Uma boa medida do coronel Jofre Lelis seria cancelar as propostas entregues e começar tudo novamente com senha numerada de acordo com a ordem de chegada. (Publicado em 5/7/1961)