Brasil cai 8 posições em ranking de competitividade

160

Relatório do Fórum Econômico põe país no 56a lugar, atrás de México, Costa Rica, Portugal e África do Sul O Brasil perdeu oito posições no ranking global de competitividade, segundo o Relatório Global de Competitividade do Fórum Econômico Mundial, divulgado ontem. Na edição de 2013 do ranking, o país aparece na 56º posição entre 148 nações, contra a 48º posição em 2012. Na prática, o país voltou para a colocação que exibia em 2009 e foi ultrapassado por países como México (55? agora, contra 535 em 2012), Costa Rica (57, contra 54 antes), África do Sul ( 53, contra 52 antes) e Portugal, que, apesar da crise europeia, caiu menos que o Brasil, da 495 para a 5º posição. De acordo com Carlos Arruda, professor da Fundação Dom Cabral, que coordena a pesquisa no Brasil, feita em parceria com o Movimento Brasil Competitivo (MBC), o resultado brasileiro é decorrente da deterioração das condições macroeconômicas — com aumento da inflação, baixo crescimento, alta do endividamento bruto e déficit externo, falta de avanços significativos nos investimentos em infraestrutiira e na simplificação dos marcos regulatórios e tributários. Segundo ele, o desempenho do país não está condizente com o esperado de uma grande nação emergente: — O Brasil ainda tem poten-ciai de um Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, China, índia e África do Sul), mas se comporta muito mais como uma nação do Mercosul — afirmou o professor, lembrando que todos os demais parceiros do bloco do continente caíram no ranking neste ano: Uruguai (de 74° para 859), Argentina (de 949 para 1049), Paraguai (de 1169 para 119°) e Venezuela (de 1269 para 1349). O professor diz que a situação do Brasil não é animadora. Ele acredita que a tendência é o país continuar perdendo posições no próximo ano, ainda mais porque, lembra, 2014 é um ano eleitoral, o que dificulta reformas estruturais. Pelo quinto ano consecutivo, a Suíça lidera a lista dos mais competitivos, seguida por Cingapura, Finlândia, Alemanha e Estados Unidos. Todos os dez países que estão liderando o ranking deste ano já estavam entre os dez primeiros em 2012, com algumas trocas de posições, como os EUA pulando da sétima para a quinta posição e a Alemanha saindo da sexta para a quarta. Entre os países que mais subiram está a Indonésia, que passou da 509 para a 38, e o Equador, da 869 para a 7D.