Índice de Transparência Parlamentar do IFC será lançado hoje

157

Como se viu pelos noticiários ontem, a presidente Dilma acaba de autorizar nada menos do que 6 bilhões de reais para as famosas emendas parlamentares, aquelas que cada deputado tem direito para a realização de benfeitorias em seus estados.

O problema, mais uma vez, é a transparência na utilização dessas emendas, frequentemente suspeitas de desvios ou o puro e simples favorecimento de aliados políticos, não importando muito as necessidades reais dos cidadãos.

Por isso, a mais recente iniciativa do Instituto de Fiscalização e Controle, o IFC, é ainda mais oportuna. Hoje, dia 01 de agosto, a partir das 14 horas, o IFC lança em sua sede em Brasília o Sistema do Índice de Transparência Parlamentar. Para quem não sabe, o IFC é uma iniciativa de várias organizações da sociedade, como a Auditar, dos auditores externos federais, a Assecor, dos servidores de planejamento e orçamento, a Unasus, dos auditores do SUS, além das entidades de auditores e dos engenheiros e arquitetos da Caixa Econômica. Ou seja, especialistas em controle e fiscalização de dinheiro público. E a missão da organização é justamente essa, criar iniciativas e projetos que levem aos cidadãos um pouco da expertise desses especialistas, para que eles também se tornem fiscais de mandatos e orçamentos públicos.

O Índice de Transparência Parlamentar foi criado para avaliar o quanto os políticos realmente estão preocupados em dar satisfação aos seus eleitores sobre o que fazem com os mandatos. Ou se estão apenas “fazendo cena”.

Através sete quesitos principais, os cidadãos eleitores podem ter um bom panorama de como se comporta o político eleito em seu mandato. São eles: atuação do parlamentar direta, atuação do parlamentar indireta, acessibilidade do site na internet, governança do mandato, controle social, prestação de contas do processo eleitoral e atuação nas mídias sociais.

Por enquanto, a fase inicial do Sistema do Índice de Transparência Parlamentar está acompanhando os mandados dos deputados distritais em Brasília, e a plataforma já está sendo preparada para acompanhar vereadores dos municípios de Águas Lindas/GO e Curitiba/PR. Num segundo momento, deputados estaduais começarão a ter seus índices de transparência divulgados e, depois, os federais. Para variar, os políticos brasilienses estão devendo. Na média, a câmara legislativa do Distrito Federal obteve uma média de apenas 3,6 pontos de transparência, numa escala que vai até 10.

Já passou da hora dos nossos políticos e gestores públicos entenderem que dar satisfação do que fazem com o dinheiro é um caminho que não tem mais volta. A luta da cidadania por transparência e ética na política veio para ficar.

Aqui na Voz do Cidadão preparamos um link especial para a nova página do Sistema do Índice de Transparência Parlamentar, a sitranspdf.org.br. Para mais informações sobre o Instituto de Fiscalização e Controle, clique www.ifc.org.br. E, claro, participe sempre!