Corte de gastos deve ficar em R$ 12 bi

211

O governo federal vai anunciar nos próximos dias um corte de R$ 12 bilhões nas despesas previstas no Orçamento deste ano. As contas da equipe econômica sobre os gastos que podem ser bloqueados estão praticamente prontas, e os técnicos ontem corriam contra o relógio – a estratégia era anunciar o corte até amanhã, de forma a se antecipar ao Banco Central (BC), que deve elevar novamente a taxa básica de juros.

Ontem, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, se reuniram no Palácio do Planalto por mais de uma hora com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e técnicos do Ministério do Planejamento, para “acertarem os ponteiros” quanto ao corte, segundo afirmou uma fonte a par das discussões.

O novo bloqueio de despesas do Orçamento será acompanhado pela redução oficial da estimativa de avanço do PIB neste ano, de 3,5% para 3%. Segundo apurou o Estado, o governo vai “vender” a ideia de que o corte de aproximadamente R$ 12 bilhões Vai adequar os gastos a uma realidade menos otimista de arrecadação, por conta de um ritmo de crescimento mais lento, e também porque o governo deseja assegurar que o “pacto” pela responsabilidade fiscal, anunciado pela presidente Dilma Rousseff, será cumprido.

Os principais alvos dos cortes serão os gastos com pessoal e encargos, emendas parlamentares e despesas com passagens aéreas e seguro-desemprego.

Os técnicos avaliam ser possível contingenciar cerca de R$ 5 bilhões em emendas dos congressistas, outro R$ 1 bilhão pode ser retido com uma restrição ainda maior em despesas com passagens, celulares e outros. O restante será obtido com um aperto na concessão do seguro-desemprego e no freio na contratação de servidores em 2013.

Corte adicional. Este novo bloqueio vai se somar aos R$ 28 bilhões retidos desde o fim de maio, quando Mantega anunciou o primeiro contingenciamento do Orçamento ao lado da ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Ao todo, portanto, os cortes devem chegar a . R$ 40 bilhões – ainda assim, valor menor do que os R$ 50,3 bilhões anunciados pelo governo em fevereiro de 2011 e os R$ 55 bilhões retidos no início de 2012. “Novos cortes virão”, assegurou uma fonte graduada da equipe econômica ontem.

A ordem é atingir, a todo custo, a meta fiscal de R$ 110,9 bilhões, ou 2,3% do PIB neste ano. A meta foi decidida por Dilma e Mantega pouco antes das manifestações populares que tomaram as ruas do País em junho.