Orçamento de 2016 do governo vai ser bastante apertado, diz especialista

125

O prazo para a presidenta Dilma sancionar a Lei Orçamentária Anual (LOA), aprovada no Congresso Nacional, termina legalmente nesta quinta-feira (14) e é aguardada com interesse pelo mercado interessado nos vetos que serão feitos, uma vez que na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) eles foram quarenta, atingindo até programas sociais.
 
Por isso, o convidado da Entrevista de Valor do Em Conta desta quarta-feira (13) é um especialista em Orçamentos, professor de Gestão e Políticas Públicas no MBA do Ibmec-DF, Rafael Pires. Ele explica, de maneira que o ouvinte possa entender, o longo caminho seguido até chegar ao Orçamento da União, passando pela LDO, LOA e Plano Plurianual.
 
“O significado principal de tudo isto, diz o professor Rafael Pires, é que este vai ser um ano apertado e que, por isso mesmo, o governo tem que abrir mão de suas economias. Aliás, assim como o trabalhador vem fazendo para poder equilibrar o seu orçamento familiar”, destacou.
 
Durante a entrevista, que você já pode ouvir por inteiro no player acima e, inclusive, usar, porque é de domínio público, o especialista em Orçamento Público explica, por exemplo, qual a economia que o governo deve fazer, neste ano, para pagar, antes de tudo, os juros da dívida pública, que é o famoso superavit fiscal primário.
 
Entre os programas sociais que serão atingidos pela recessão da economia e por um Orçamento mais apertado está o Bolsa Família. Já na LDO sancionada pela presidenta Dilma, duas coisas aconteceram. Ficou garantido R$ 1 bilhão para o Bolsa Família, mas foi vetado o reajuste, neste ano, pelo índice acumulado da inflação oficial.
 
Aliás, para que a gente compreenda exatamente o que pode acontecer, ou não, com o Programa Bolsa Família, durante este ano de 2016, a convidada do Entrevista de Valor do Em Conta desta quinta-feira (14), que já aceitou o convite, é a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.
 
Em Conta – A Economia Que Você Entende vai ao ar de segunda a sexta-feira, a partir de 12h40, na Rádio Nacional da Amazônia, e de 10h40, na Rádio Nacional do Alto Solimões.
 
A produção é de Cleide de Oliveira. A edição e apresentação é de Eduardo Mamcasz.
 
Já o Trocando em Miúdo de hoje (13) fala do relacionamento do cantor David Bowie, falecido nessa segunda (11), com o mercado financeiro. Ouça aqui.