Mercadante defende aprovação rápida de ajuste fiscal pelo Congresso

0 33

O ministro da Educação e ex-titular da Casa Civil, Aloizio Mercadante (PT), defendeu nesta terça-feira, (27/10) a aprovação rápida do ajuste fiscal pelo Congresso para levar o País novamente à rota do crescimento. “Todos os entes estão na crise, quanto mais cedo e melhor fizermos o ajuste, melhor resultados teremos”, disse ele, em audiência pública na Comissão de Educação do Senado para discutir programas da pasta que comanda

Na primeira aparição no Congresso desde que trocou a Casa Civil pela Educação, o petista defendeu “integralmente” o retorno do imposto do cheque, derrubado pelo Senado em 2007, quando Mercadante era senador. Para o ministro, a CPMF “é um imposto fácil de arrecadar, não dá para sonegar, paga quem sonega e não sonega”.

Leia mais notícias em Política

“Agora tem um problema que desagrada muito: é um imposto que pega o caixa dois, vamos falar as coisas como elas são. É muito melhor brigar contra a CPMF, que a Receita não vai pegar o meu caixa dois”, disse ele, ao ressaltar que o tributo tem “várias contribuições”.

O ministro defendeu também que se discuta mudanças na Previdência Social a fim de melhorar a situação das finanças dos entes federados. 

No encontro, Mercadante fez uma digressão a respeito da situação da economia brasileira e do País no plano internacional. Ele disse que houve em 2014 um “desabamento” e “colapso do preço das commodities”, afetando todos os países da América Latina. Ele citou ainda que ocorreu uma queda do valor do barril do petróleo, de US$ 110 para US$ 40, o que afetou fortemente países emergentes onde o insumo é importante para a economia, como a Rússia e o Equador.

Mercadante disse que o País passa por uma forte seca, principalmente no Nordeste, e que também atingiu o Sudeste, impactando o no preço da energia elétrica.

O ministro afirmou também, mencionando três fontes diferentes, que a Operação Lava Jato terá o impacto negativo de 1% do PIB. Ele ressalvou, entretanto, que a ação vai contribuir para a gestão das empresas estatais. Segundo ele, a ação “paralisou” a indústria do petróleo.