Orçamento não cobre falhas na defesa sanitária

108

O orçamento atual do Ministério da Agricultura (Mapa) é insuficiente para cobrir as deficiências atuais da área de defesa sanitária. A avaliação foi feita nesta quarta-feira, 9, pelo ministro da pasta, Neri Geller, durante entrevista a jornalistas, depois de sua primeira visita à Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em São Paulo. ‘É muito baixo’, admitiu. Geller relatou que a pasta está convocando a iniciativa privada para ajudar a levantar recursos extras para reformar e ajustar essa área.

Ele comentou, ainda, que o atual secretário executivo, Gerardo Fontelles, será mantido no cargo e que a função dele será fortalecida para que a qualificação de pessoal seja trabalhada com mais intensidade no ministério. ‘Vamos trabalhar muito forte a questão da gestão da pasta e a falta de pessoal. A gestão passa necessariamente por orçamento. Não podemos fazer concurso no ano que vem se não tivermos recursos. Estamos trabalhando para isso, buscando recursos emergenciais, com parcerias públicas e até privadas’, disse.

Já as indicações políticas que virão terão de ter determinações técnicas. ‘Sou produtor, acompanhei a transformação da produção no País e sei quanto o setor é dinâmico e sei o quanto ele é importante para o País. Daí o foco em gestão’, ressaltou, dizendo que está em diálogo constante com os secretários do ministério.

Sobre a queda do dólar ante o real, o ministro acredita que o movimento acaba dificultando um pouco as exportações brasileiras, mas ao mesmo tempo alivia o custo de produção. ‘Mas o mercado externo está muito aquecido. A demanda mundial é muito forte por proteína. O mercado é muito promissor e avançaremos em valor agregado’, garantiu.

 

Milho – Geller fez projeções de embarques do milho brasileiro à China. ‘Nós estamos muito animados, porque vamos mandar o excedente que temos no País. O potencial de produção também é grande, principalmente no Centro-Oeste. As empresas já estão habilitadas para fazer os negócios com o mercado chinês’, disse.

A Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena da China informou nesta terça-feira, 8, que no dia 31 de março foi aprovado formalmente um acordo com o Brasil para a importação de volumes consideráveis de milho. Segundo Geller, o Brasil pode começar, neste ano, a embarcar 500 mil toneladas ou até 1 milhão de toneladas e em quatro anos chegar a vendas de 10 milhões de toneladas.