Cortes não vão afetar concursos públicos

115

Autor(es): Cristiane Bonfanti

O Ministério do Planejamento informou que o corte realizado no Orçamento para garantir o fechamento das contas públicas este ano não atingirá os concursos públicos federais já autorizados ou em andamento. Em alguns casos, porém, as nomeações poderão ficar para o ano que vem.

Durante a divulgação do contingenciamento, a ministra Miriam Belchior disse que os aprovados para o concurso de gestor público federal só deverão ser nomeados em 2014. Ela destacou também que houve uma grande chamada este ano para os aprovados na seleção de delegado da Polícia Federal.

– A segunda chamada só no ano que vem – exemplificou a ministra, ressaltando que os prazos legais serão cumpridos.

Miriam disse que o governo fará um pente-fino rigoroso nos cargos de caráter administrativo para identificar os que são realmente necessários, como os que visam a substituir aposentadorias. Já está certo que as seleções para o Ministério da Fazenda e para a Escola Nacional de Administração Pública do Ministério do Planejamento serão adiadas.

Professores preservados

O contingenciamento do valor destinado às despesas com pessoal e encargos sociais foi de R$ 2,5 bilhões, um quarto da tesourada total de R$ 10 bilhões anunciada pelo governo. A ministra assegurou que o governo preservou integralmente a previsão de entrada de professores e técnicos para a ampliação da rede superior de ensino e da rede de escolas técnicas.

Também estão na prioridade do Executivo as contratações relacionadas à estruturação dos centros nacionais de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais e de Gestão de Riscos e Desastres. As nomeações para reforçar os ministérios da área de infraestrutura e meio ambiente também estão mantidas.

– Para as demais áreas, estamos adiando as contratações. Algumas (contratações serão) ainda para este ano e outras (estamos) adiando, reavaliando quando elas deverão ser realizadas – afirmou.

José Wilson Granjeiro, diretor-presidente da escola preparatória Gran Cursos, em Brasília, considerou que processos seletivos que são considerados estratégicos para o país, sobretudo nas vésperas da Copa do Mundo de 2014, não serão afetados.

O economista Felipe Salto, da Tendências Consultoria, avaliou positivamente o contingenciamento dos gastos com pessoal. Ele observou que, enquanto as despesas com funcionalismo ficam entre 4% e 4,2% do PIB, os investimentos do governo federal correspondem a 1% do PIB.