Entidades promovem marcha contra a política econômica

154

O Fórum Nacional dos Trabalhadores do Serviço Público Federal, Centrais Sindicais, Espaço Unidade de Ação e Movimentos Populares realizam marcha, em Brasília. A concentração será no estádio Mané Garrincha de onde os manifestantes seguirão em direção à Esplanada dos Ministérios. O objetivo do movimento é defender os direitos sociais e trabalhistas, além de denunciar a política econômica do governo federal. Os organizadores da iniciativa estimam que cerca de 20 mil trabalhadores participarão da manifestação.

Bandeiras da marcha

– Fim do fator previdenciário / Anulação da reforma da previdência de 2003 / Defesa da aposentadoria e da previdência pública;

– Reforma agrária já / Respeito aos direitos dos assalariados rurais / Apoio à luta dos trabalhadores do campo contra o latifúndio e o agronegócio;

– Em defesa do direito à moradia digna / Chega de violência contra pobres e negros;

– Em defesa dos servidores (as) públicos (as);

– Aumento geral dos salários;

 

Uma plataforma política foi aprovada pelas entidades que participam desta jornada:

– Contra o ACE (Acordo Coletivo Especial) e a precarização no trabalho;

– Fim do fator previdenciário / Anulação da reforma da previdência de 2003 / Defesa da aposentadoria e da previdência pública;

– Reforma agrária já / Respeito aos direitos dos assalariados rurais / Apoio à luta dos trabalhadores do campo contra o latifúndio e o agronegócio;

– Em defesa do direito à moradia digna / Chega de violência contra pobres e negros;

– Em defesa dos servidores (as) públicos (as);

– Aumento geral dos salários;

– Adoção imediata da convenção 158 da OIT / Em defesa do emprego / Redução da jornada e trabalho, sem redução salarial;

– Em defesa da educação e da saúde públicas;

– Respeito aos povos indígenas e quilombolas;

– Contra as privatizações / Defesa do patrimônio e dos recursos naturais do Brasil;

– Suspensão do pagamento da dívida externa e interna aos grandes especuladores;

– Contra a criminalização das lutas e dos movimentos sociais;

– Contra o novo código florestal / Em defesa do meio ambiente;

– Contra toda forma de discriminação e opressão.

 

Ascom/ASSECOR com informações da Condsef.