Carreiras permanecem unidas e intensificarão a mobilização

179

O governo permanece inerte às reivindicações dos servidores que integram o grupo União das Entidades das Carreiras de Estado e a data limite para inclusão de recursos para o reajuste está próxima. Em reunião na manhã desta terça-feira (17/7), o presidente da ASSECOR, Eduardo Rodrigues, o vice, Antonio M. R. Magalhães, e os demais líderes sindicais reafirmaram a união das carreiras na campanha salarial e fecharam o calendário de mobilização conjunta.

Fontes do governo informaram a preocupação sobre uma possível greve dos servidores do grupo União das Entidades. O movimento, que tem ganhado destaque na mídia e se fortalecido nos diversos órgãos, preocupa as autoridades governamentais. Algumas categorias, como a Receita Federal e Auditores Fiscais do Trabalho, promovem operações padrão, e no caso da primeira, foi aprovado um fundo de greve para socializar possíveis perdas causadas pelo corte de ponto.

“A união dessas entidades só pode ter sucesso se tivermos coragem de enfrentar o governo com uma radicalização, que é a greve, é chegado o momento”, avaliou a presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Rosângela Rassy.

Todas as entidades participarão da Mobilização de Brasília, no dia 26 de julho, às 15h, em frente ao Ministério do Planejamento (bloco K). Além disso, os sindicalistas promoverão assembleias entre os dias 30 de julho e 3 de agosto para deliberar sobre o calendário do movimento.

– Paralisação das atividades de todas as carreiras nos dias 7 e 8 de agosto;

– Caso o governo não inicie de fato as negociações, paralisação por tempo indeterminado a partir do dia 13 de agosto.

O presidente da ASSECOR informou que a categoria, mesmo com um número reduzido de servidores, tem força e contribuirá com o movimento. Além disso, ainda conta com uma rede de contatos que favorecerá a articulação política em favor do grupo.