Assecor

Em assembleia geral, associados da Assecor deliberam sobre venda de salas no Setor Comercial Sul e discutem perspectivas de reposição salarial em 2022

A Assecor promoveu nesta quinta-feira (25), por meio de videoconferência, a quarta assembleia do ano. Os associados presentes foram informados sobre a execução do orçamento da Assecor em 2021, as despesas fixas da sede e a possibilidade de mudança para espaço compartilhado na CLN 110 Norte (sede da Unacon); e debateram a possibilidade de venda de salas comerciais da associação e as perspectivas de reposição salarial.

Frisou-se que os servidores federais estão com remuneração congelada desde janeiro de 2019, contra alta projetada do IPCA de 24,7% e do IGP-M de 64,8% no período 2019-2022; e que se nenhuma reposição for efetivada no PLOA 2022, a perda salarial será ainda maior, já que a Lei Complementar nº 173/2020 proíbe reajustes salariais a serem pagos no mandato seguinte.

Foi deliberado o anúncio de venda das salas localizadas no setor comercial sul (Edifício Ceará) pelos seguintes valores: R$ 116.000,00 (sala 1203) e R$ 90.000,00 (sala 1204). Caso receba propostas abaixo desses valores, a diretoria da Assecor consultará a Assembleia Geral.

Em relação à sala atualmente usada como sede da Assecor (sala 114, do Ed. Isis - SEPN 509), ficou definido que o tema será debatido em próxima assembleia, considerando a possibilidade de aluguel da sala ao invés de venda. Enquanto isso, a diretoria da Assecor deverá avançar nas tratativas com a Unacon sobre os termos a serem acordados para o compartilhamento de espaço na CLN 110 Norte, bem como se informar sobre a possibilidade de que a Assecor venha a comprar sala própria no referido espaço.

Ficou decidido ainda que a diretoria da Assecor deverá seguir: trabalhando em busca da reposição salarial dos técnicos e analistas de planejamento e orçamento; e manifestando aos dirigentes do Governo Federal e à sociedade em geral a insatisfação dos servidores da carreira com a ausência de reajustes salariais que compensem a inflação observada durante o atual mandato presidencial.

Comentários por Disqus